Há cerca de um ano atrás, estava fora de uma conversa, apenas observando, quando ouvi uma resposta que transformou absurdamente minha vida.

Um grupo de conhecidos conversavam sobre propósito; no centro da conversa um homem se queixava de sua vida, que nada dava muito certo para ele. Citou vários exemplos de desilusões familiares, profissionais e amorosas.

Foi quando um rapaz falou, “puxa, parece que você esteve sempre enrolado em situações que realmente não gerou. Acredito que quando temos um propósito de vida, nada acontece ao nosso redor, sem a nossa permissão.”

Então perguntou, “afinal, você tem um propósito de vida? Objetivos, metas?”

O homem respondeu, “há muito me desiludi com a vida, vou levando, ou melhor,
deixo a vida me leva!”

Aquilo não era meu

A conversa não era minha, não era comigo, mas foi como um soco na boca do meu estômago.

Instantaneamente brotaram pensamentos acelerados…

Tenho uma vida boa, sou feliz, mas há muito ando com este vazio dentro de mim! Será isso? Será que deixei de sonhar, de desejar, de estabelecer grandes e desafiantes objetivos?

Pior!!! Cadê meu propósito de vida? Por que estou aqui? Por que existo? Meu Deus!!!!

Profissionalmente falando, sempre fui treinada para cumprir metas, receber objetivos claros e repassar para minha equipe, planejando, desenhando estratégias e sempre fui muito boa nisso.

Quanto à minha vida pessoal, descobri, naqueles poucos minutos de pensamento acelerado, que estava vivendo um script pré-definido, eu vivia a vida da forma que é aceita pela média da sociedade.

Vou explicar melhor

Nascer, estudar, ter um curso superior, casar, ter filhos, um bom emprego, comprar uma casa, educar os filhos, eventualmente se separar, se aposentar e fazer artesanato até morrer.

Visualizei uma linha do tempo, com marcações para cada uma destas etapas, e isso doeu.

Pareceu um pouco agressivo para você? Ou pensou, ué, mas não é para isso que vivemos?

Nota: 
Nada contra artesanato, pelo contrário, amo de paixão, em especial patchwork. 
Como fico tão ocupada em cumpriu meu script e não tenho tempo para esta paixão, 
sempre digo a mim mesma: quando me aposentar vou ter todo o tempo do mundo 
para o artesanato.

Tudo bem se for assim para você

Respeito todo e qualquer estilo de vida, acredito que as pessoas são livres para serem e viverem do jeito que para elas é melhor, desde que respeite os demais e que se estilo de vida seja claro para todos.

Agora, naquele momento, eu olhando para aquela linha do tempo reproduzida na minha mente. Estava com 50 anos, perto de fazer 51, era empresária de primeira viagem, sem reserva financeira e sem perspectiva de me aposentar tão cedo; pensei, tem algo errado aqui.

Estraguei tudo ou propositadamente me coloquei nesta situação

Depois de muitos meses de reflexão, busca em livros, cursos e conversas, ainda não tenho desenhado totalmente meu propósito de vida.

Porém, hoje, diferentemente do que pensei há um ano atrás, sei que, inconscientemente é claro, toquei a minha vida mais fora do script do que dentro.

Segui minha essência, tenho muito claro meus valores, sei o que é bom e o que não é para mim e venho treinando ter objetivos pessoais, definindo pequenos desafios que me imponho.

Isso tem funcionado tanto! Agreguei tantas coisas boas na minha vida; a principal delas foi o autoconhecimento.

Já trabalhava esta questão, mas agora é muito consciente para mim. Como consequência vieram a clareza, a disciplina, o realismo e principalmente a responsabilidade sobre a minha vida e a liberdade que tudo isso trás.

“Para vencer, é preciso ter algumas qualidades:
clareza de propósito,
conhecimento do que se quer
e um desejo insaciável de alcançar seu objetivo. ”

Napoleon Hill

 

CONTE SUA HISTÓRIA PARA A MARIA TE VIU!

COMENTE

Por favor, digite seu comentário

Por favor, digite seu nome aqui