Minha mãe e seus conselhos …..

Desde muito cedo, muito nova ainda, ouvia minha mãe dizer que queria ter nascido homem, que ser mulher era uma droga.

E eu que já sou de outra geração, sempre me perguntei por que ela dizia aquilo, já que sempre curti ser menina. E com o tempo passando não mudei de ideia, adorava ser mulher, via muitas possibilidades e vantagens do dito sexo frágil, mas em algum momento comecei a compreender de alguma forma qual era a sua intenção, o que queria me passar quando dizia isso.

Fui percebendo que como menina ela teve que cumprir muitas tarefas em casa (e isso ela também fazia comigo rs), “que só mulheres faziam”, suas opiniões não eram ouvidas, sempre com muitos deveres e pouquíssimos direitos.

Casou por amor, e teve sorte, pois foi com um homem que a tratava como rainha, mas no fundo ela tinha a sensação de ter trocado de dono. Não era dona de si mesma e de suas vontades.

Ela não trabalhou fora, mas deu suporte, estabilidade e um lar que deu estrutura e tranquilidade para que seu marido progredisse e a família crescesse. E era exatamente isso que era esperado.

Ela cozinhava, e muito bem, a casa vivia cheia, lavava, passava, mantinha a casa limpa e arrumada, as crianças saudáveis e alegres, e tinha uma vida financeira tranquila.
Então aonde estava o problema?

Só comecei a entender quando fiquei adulta e mais velha percebi que nunca foi perguntada a ela o que realmente queria. Quais eram seus sonhos, suas expectativas suas vontades.

Nunca teve um trabalho fora de casa remunerado, mesmo tendo estudado e se preparado para isso. Costurava como ninguém, aliás minhas roupas eram todas feitas por ela, e sua habilidade nunca foi reconhecida.

Era uma pessoa livre sempre controlada por suas obrigações. Ela teve uma vida boa? Sim excelente e era agradecida, mas será que era aquilo, daquela forma que era o que ela queria de verdade?

Toda essa história me serve de alerta diário a respeito do que os outros pensam, do espaço que deve ser uma busca constante, para escolher um caminho para suas vidas, mesmo que os outros não concordem.

E aí fica um alerta importante: CUIDADO com as imposições, com as exigências, com as cobranças que nos cercam, principalmente em uma relação amorosa.

Amar o outro é permitir seu voo, é garantir sempre uma porta aberta, um abraço apertado de aconchego, festejar juntos uma alegria ou estar de mão dadas na mudança de rota.

Todos temos escolhas, e devemos aprender a deixar que cada um faça a sua opção do caminho a seguir, tendo cada vez mais consciência que sempre seremos responsáveis por aquilo que decidirmos.

E da próxima vez? Ahhh quero vir mulher com certeza.

CONTE SUA HISTÓRIA PARA A MARIA TE VIU!

2 COMENTÁRIOS

  1. Obrigado Ana , que bom que gostou, estamos trabalhando bastante para termos sempre postagens interessantes e questionadoras. Vai ser um prazer receber sempre suas ideias , histórias , participação.
    Um super abraço . Gratidão

COMENTE

Por favor, digite seu comentário

Por favor, digite seu nome aqui