Essa energia te move???

Será que temos consciência dessa nossa necessidade de controle?

E aí eu penso, se não faço ninguém faz e a esse conceito se junta àquela máxima que nos é tantas vezes dita:

Se quer bem feito faça você mesmo!!!

Acabamos por nos sobrecarregarmos, tentando equilibrar um milhão de tarefas ao mesmo tempo, não sabendo delegar e tomando para nós um excesso de responsabilidades não necessárias.

Nós mulheres fomos à luta, entramos no mercado de trabalho por muitos motivos diferentes, independência financeira, realização pessoal e capacidades e habilidades de criar e produzir.

E ainda continuamos a ser as únicas responsáveis por abastecermos o lar, deixa-lo limpo e arrumado, apesar de muitas vezes morarmos com outras pessoas, fazer as refeições, lembrarmos de todas as contas a serem pagas, muitas vezes pagá-las, lavar as roupas de todos, quando não moramos sós, e claro passa-las. E tantas outras tarefas do dia a dia.

Vamos tomando consciência com o tempo que muito disso é nossa própria culpa, na medida em que ter controle é também ter poder. Controlar é saber que as coisas são exatamente do jeito que queremos.

Muito dessa situação é cultural, mas precisamos tomar consciência de que é um terreno que nem todas nós estamos realmente dispostas a modificar.

Nos faz bem cuidar de tudo.

Reclamamos de algo que nós mesmas somos, no mínimo, coniventes.

Vamos pensar: ninguém é insubstituível, ninguém! Não se iluda!

Se virarmos as costas agora, a casa continua lá, duvido que as pessoas morram de fome ou andem sujas e amassadas pela rua. Vão pagar as contas e continuar em frente, então está na hora de repensarmos em algumas coisas.

Realmente não precisamos rearranjar as roupas que o marido ou filho ou alguém fez a benção de pendurar no varal. Elas vão secar da mesma forma, relaxe!

E assim muitas coisas podem ser delegadas desde que nos propusermos a não ser tão exigentes e achar que só do nosso jeito é que está certo.

Tenho certeza que faríamos muito melhor, mas pensem bem: TERÍAMOS de fazer!

Vamos nos propor a conhecer nossos autossabotadores, perceber que nem sempre ter controle é bom. Pode ser desgastante e cansativo.

Deixe o excesso de detalhes para lá, tudo vai ficar mais leve e muito mais prazeroso.

Único controle de que precisamos é do que fazer com nossas próprias vidas. Divida, peça ajuda e delegue. Ficando mais leves, dividindo responsabilidades as possibilidades de  vida são imensas.

CONTE SUA HISTÓRIA PARA A MARIA TE VIU!

 

 

COMENTE

Por favor, digite seu comentário

Por favor, digite seu nome aqui